A Serra de Francia

Aldeias antigas, natureza intocada, cativando paisagens. O Parque Natural da Sierra de Francia-Batuecas e os arredores têm tudo.
botónNada leva a crer, quando atravessamos os vastos planaltos de Valladolid e de Salamanca, que possa existir ali perto um oásis de tamanha beleza…

No entanto, se nos dirigimos de Salamanca para Portugal ou para a Serra, os campos de cereal dão lugar a pastagens até perder de vista, onde as azinheiras, com a sua silhueta peculiar, proporcionam sombra e alimento ao gado: É a região conhecida por Campo Charro, paraíso do touro e do porco ibérico, que tanta fama dão à zona.

Chegamos então à Serra de Francia, e recuamos ao passado: as aldeias com as suas casas em tabique, as ruas estreitas, os burros e as mulas bebendo nas fontes, regressando de um dia de labuta nas vinhas, as avós sentadas com a sua renda ou o seu bordado típico da serra, os pomares, a agua. A água está por toda a parte e tudo cresce graças a ela: uvas, pêras, maçãs, pêssegos, cerejas, figos e legumes de toda a espécie. A água jorra das nascentes, formando torrentes que correm pelos vales escarpados. A água bebe-se com gosto; na água banhamo-nos com prazer. A água nasce da Sierra…

Ríos y fuentes de la Sierra de Francia
La Sierra de francia
La Alberca (Serra de Francia-Espanha)

botónA Serra de Francia

Urge escrever um livro para descrever toda a sua diversidade e complexidade.

Para começar, a sua complexidade geográfica: desde a Peña de Francia e dos seus 1723 metros até aos 500 metros do rio Alagón, passamos por montes abruptos e vales encaixados onde somos invadidos pela sensação da nossa pequenez.

A diversidade do seu clima e vegetação: devido ao seu relevo peculiar, a Sierra de Francia apresenta características díspares em poucos quilómetros. Passamos de um clima mediterrânico, onde encontramos matos baixos, para um clima atlântico, onde predominam os carvalhos, os freixos e os castanheiros. Ali, cultiva-se a vinha e a cerejeira; fora desta zona isso seria impossível pois as geadas tardias comprometeriam a sua maturação e apanha.

A complexidade da sua população, dos seus costumes e do seu folclore encontram explicação nas invasões, nas guerras e nas perseguições religiosas. As culturas muçulmana, judia e cristã fundem-se numa curiosa alquimia cujos traços se reencontram nas técnicas agrícolas e de rega, na arquitectura e no urbanismo e ainda no carácter peculiar dos seus habitantes. Também encontramos origens francesas devido ao repovoamento desta comarca por contingentes gauleses após a reconquista aos mouros.

A beleza de suas aldeias: La Alberca é a localidade mais conhecida e turística das aldeias declaradas conjuntos histórico-artísticos; as restantes nem por isso são menos autênticas e belas: Miranda del Castañar, povoação fortificada em volta do seu castelo, Mogarraz e as suas inscrições religiosas, nas portas das suas casas, envoltas em mistério, San martín del Castañar e os vestígios do seu castelo, Sequeros y Villanueva del Conde…Todas, inclusivé as não declaradas conjunto histórico-artístico, são dignas de um visita atenta…

A Serra de Francia, foi declarado Reserva da Biosfera pela UNESCO em 2007.


Parque natural Las Batuecas
Calle de La Alberca

botónLas Batuecas

Actualmente, o parque engloba uma grande parte da Sierra de Francia e, desta forma, assume-se como um refúgio para as espécies protegidas como o lince, o lobo, a cabra-montês, a águia real, o abutre ou a discreta cegonha negra. Mas a jóia deste parque reside, sem dúvida, na garganta escarpada e selvagem que muitos não hesitam em comparar ao paraíso terrestre: Las Batuecas.

As numerosas grutas com pinturas rupestres que pontuam o passeio do visitante surgem para o convencer de que este lugar possui um encanto e um poder genesíacos. Os monges não se enganaram quando escolheram a entrada daquele vale para se instalarem e construir ermidas espalhadas pela montanha, para meditarem e estarem mais próximos do Criador.


Plaza Mayor de Salamanca

botónSalamanca

Arte, Sabedoria e Touros é o seu lema. Porque acolhe uma das universidades mais antigas da Europa, hoje ainda uma das mais prestigiadas de Espanha. Apelidada de Pequena Roma, Salamanca é uma sucessão de monumentos, cada qual o mais impressionante. Catedrais, antiga universidade, igrejas, conventos e palácios. Ao entardecer, a tonalidade dourada das suas pedras de Villamayor contrasta com o azul do céu. A sua “movida” nocturna também é lendária. Milhares de estudantes universitários tomam de assalto as suas ruas até ao amanhecer. É um outro espectáculo de Salamanca para descobrir e viver em cheio.


VISITA VIRTUAL DE SALAMANCA. Um passeio pelo Salamanca monumental como se estivesse lá !!!

cachoeira da Ovejuela em Las Hurdes
Las Arribes del Duero

botónMais coisas para ver

Abrangendo um raio de 150 km, é possível planificar numerosas excursões de um dia.

Las Hurdes: A extrema pobreza destas aldeias, próximas de “Las Batuecas”, fazia com que, em meados do século XX, os seus habitantes vivessem quase como na Idade Média. Nisso se baseou o famoso documentário de Luis Buñuel, “Tierra sin pan” (‘Terra sem Pão’), que tantos debates provocou. Destacamos uma cachoeira perto Pinofranqueado: O Chorrituelo de Ovejuela.

Ciudad Rodrigo e Almeida: Duas cidades fortificadas em ambos os lados da fronteira com Portugal, que foi palco de sangrentas batalhas durante as Guerras Napoleônicas.

Sierra de Béjar: De maior altitude que a Sierra de Francia, possui uma estação de esqui: “La Covatilla”. E Candelario, histórica vila é uma obrigação.

Sierra de Gata: Além Hurdes e Portugal na fronteira é esta bela região cujos povos histórico e piscinas naturais não têm nada a invejar aos nossos montanhas. Nós amei Robledillo Gata.

Las Arribes: Impressionante “canhão” cavado pelo rio Douro, servindo de fronteira entre Portugal e Espanha.

Os muitos castelos de Castela e Leão: Monleón, Montemayor, Castillos del Buen Amor, San Felices de los Gallegos, Barco de Ávila, para citar alguns próxima.

A cidade fortificada de Zamora, Ávila, Segovia e Cáceres: Património Mundial da UNESCO.